LUGAR DA COMUNHÃO DOS SANTOS : O CÉU

 

Onde se encontra esta comunhão dos santos? No Céu! Para alguns esta palavra quase não serve para nada. Na sagrada escritura se fala do céu natural: os pássaros do céu, etc. “... os seus Anjos... reunirão os seus eleitos... de uma extremidade até a outra extremidade do céu” Mateus 24,31.

O Senhor fala do Céu como Pátria dos Anjos: “...os seus Anjos nos céus vêem continuamente a face de Meu Pai que está nos céus”Mateus 18,10. Assim o Céu significa também a felicidade futura dos homens. “Felizes os pobres no espírito, porque deles é o Reino dos Céus... Felizes os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus.” Mateus 5,3 e 5,10.

Mas o Céu não significa somente um estado de bem-aventurança. Mas um espaço real-espiritual. “Em verdade, em verdade, te digo: quem não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus.” João 3,3. Os Santos Anjos também aqui procuram nos conceitos claros. A nossa terra; o espaço terrestre; o nosso sistema solar constituí o Círculo da Redenção.

Estes Anjos levam o Céu da Visão Beatífica em si, mas se encontram por causa do homem no combate direto com o adversário infernal. Se aqui não se encontra o céu como espaço, sabemos do fato que o Santo Anjo da Guarda deixa seu lugar no Céu para acompanhar o seu protegido humano.

Todo o espaço cósmico fora do nosso alcance pertence ao segundo Círculo da Ordem e Onipotência de Deus. Este é o céu natural da nossa visão do mundo, mas está integrado no espaço espiritual dos três Coros deste Círculo que contém os homens bem-aventurados. Acima do segundo círculo em, outras dimensões espaciais se encontra o Círculo da Adoração, ora, as bem-aventuranças: Felicidades dos homens têm o seu lugar determinado principalmente no segundo círculo. As almas estão separadas do peso terrestre dos seus corpos e o espaço espiritual dos Anjos parece que convêm à natureza da alma espiritual.

O primeiro círculo só está aberto para homens especialmente escolhidos como os 24 anciãos, Maria, etc.

No segundo círculo encontramos os três Coros Angélicos centrais das Dominações, Potestades, Principados; as Virtudes; o Céu; as Felicidades dos homens; os astros circulantes e exaltantes. A estrutura deste círculo e também do céu dos homens está determinada pelas quatro Pilastras Angulares. Elas recebem força quádrupla de Deus que se chama: Deus Santo, Deus Sábio, Deus Onipotente, Deus Forte.

As quatro correntes desta força correm para baixo através destas pilastras e se chamam no fundo: Temperança (Medida), Prudência, Fortaleza, Justiça.

O homem deseja assim o Céu não só pelas Virtudes Divinas: Fé, Esperança, Caridade; mas também pelas quatro Virtudes Cardeais. Nos processos de canonização a Igreja sempre prova o grau de ambas.

No meio destas Pilastras descansam os Anjos e os Santos em adoração. Não circulam como os Astros, mas ficam no seu lugar.

Abaixo do centro das Pilastras encontra-se o lugar do Juízo. Porque serão julgados no lugar da sua obra.

No fundo sobre a terra, acima do centro será construída a Nova Jerusalém como recompensa “acima do lugar da sua obra”.

Assim diz o Senhor Eis que venho em breve e a Minha recompensa está Comigo para dar a cada um conforme as suas obras. Apocalipse 22,12.

A recompensa consiste no podermos entrar na Cidade pelas Portas. Apocalipse 22,14.

Esta estrutura celeste encontra-se indicada na Sagrada Escritura nestas palavras:
“ A cidade é quadrada (quatro Pilastras Angulares): seu comprimento é igual à largura. Mediu então a Cidade com a cana: doze mil estádios. O comprimento, a largura e a altura são iguais. Mediu também a muralha: cento e quarenta e quatro côvados. - o Anjo media com medida humana.” Apocalipse 21,16-17.

Isto é a medida humana segundo Apocalipse 7,4-8. “Ouvi então o número dos assinalados: cento e quarenta e quatro mil assinalados sendo doze mil de cada tribo de Israel”, isto é, só uma parte, todos os santos do céu formam uma grande multidão que ninguém podia contar.


Protected by Copyscape