CAMINHOS PARA DEUS

 

Há muitos Caminhos para Deus. Mas Ele mostra ao homem três Caminhos, na Mão dos Anjos sobre as três grandes correntes de graça.

1. da Vida; 2. da Força, da Palavra; 3. da Caridade, Amor.

Pois sobre elas os Anjos transmitem ao homem as Graças, sobre elas devem levá-los à Deus.

Também podemos chamá-los:

1. Caminho da Fé; 2. Caminho da Esperança; 3. Caminho da Caridade.

O Caminho da Fé vem da grande criação e incluí muitas vezes os homens ao redor da Santa Igreja, todos aqueles que talvez ainda encontram-se em outras comunidades religiosas e sentem em si mesmo e carregam dentro de si a inquietação para a única Verdade da palavra. Eles sentem o Anjo ao seu lado, como seu bom espírito e reconhecem na Estrela Maria o ideal incansável da Imaculada Virgem e Mãe de Deus. Esta inquietação os leva depois de muitas lutas para dentro do espaço da santa Igreja e seu fim é o PÃO, o TABERNÁCULO.

A impotência do Pão é o espelho mais claro da simplicidade de Deus; que provém da semente triturada: o menor denominador na criação; e que volta para Deus Trino e Uno.

Ouçamos este apelo que é o mais profundo, misterioso e comovente: pois aqui está a chamar o DEUS preso, desautorizado e abandonado. O mundo já não O compreende, nem esta linguagem. Mas quem ama, ouve, dia e noite, este apelo do Amor que procede da Sagrada Eucaristia, e que não o deixa descansar.

O Caminho da Esperança, da confiança, parte do espaço da Santa Igreja, ele têm em comparação do primeiro caminho, muito mais direitos e meios de graça, mas também uma responsabilidade muito maior, e provações muito mais pesadas e um maior dever da expiação. Seu símbolo é a Cruz, suas armas são: a palavra e o sacrifício.

Não é em vão, que Nosso Senhor, foi com a Cruz à nossa frente, dizendo: “se alguém quiser vir após Mim, renegue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me!”. A Cruz é apelo de Deus à fé, à esperança, à ação, à reflexão e à volta para Deus, mas ainda mais é chamamento ao amor, ao sofrimento, ao sacrifício e à morte vitoriosa com CRISTO.

Uma das armas é a Palavra de Deus, esta encontra-se na Sagrada Escritura, em centenas de escritos de Santos, dos Padres e Doutores da Igreja. Desde a nossa infância ouvimos a Palavra de Deus, pela mãe, na escola, no sermão, no próprio coração.

O Caminho da Caridade é mil vezes diferente e mesmo assim é um só caminho. Pois no caminho da caridade os Santos Anjos guiam todas as almas ferventes de amor, as consagradas a Deus. Todas as mães, todos os chamados especiais de Deus. É um caminho ardente sob o véu de Maria. Ele parte do Gólgota e termina no coração do Senhor. As provações de Amor de Deus são as mais inexplicáveis, insondáveis, e só a verdadeira caridade pode persistir, porque ela anda cega, obedece cegamente e ama cegamente.

Desde os tempos dos Apóstolos os fiéis rezavam pelo mundo inteiro, para “que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade” (1 Tim. 2,1-4).

Todos juntos, humildemente, procuremos caminhos de santidade e o normal é que nos ajudemos uns aos outros e aprendamos uns com os outros a nos libertarmos das armadilhas que o mundo põe neste caminho.

Impreterivelmente onde está a vocação à santidade é o mundo. Não devemos retirar-nos do mundo, mas formar comunidades exemplares de uma Igreja não-condicionada pelos poderosos deste mundo. Devemos e temos de voltar às origens: ser comunidades de Amor, comunidade-modelo; não retirados de um mundo desprezado, mas comunidades que vivem plenamente a vocação eclesial para a salvação do mundo.

Cada um de nós já experimentou tal chamamento de DEUS. O homem deve na Mão do seu Anjo ouvir este chamado, seja onde e quando for, mas deve também seguir este chamado. Ele não só deve reconhecer seu fim com a grande chave do Pão, da Cruz e Maria. Mas também alcançá-lo. E o fim do seu caminho é o Trono de Deus. Quando o homem reconhece Deus, Deus, que é o seu fim, então deve levantar-se e não hesitar. Deus não chama sem sentido. Mas o homem deve-se colocar no caminho certo, quer dizer, do nada ser diante de Deus que é Tudo, isto dará para o homem solidez certa para começar o seu caminho e avaliar a distância certa. Devemos lembrar antes de tudo que o Amor severo de Deus nos leva primeiro aos caminhos que não entendemos direito, mas tudo para alcançarmos nosso maior fim.

O apelo de Deus muitas vezes indica violência no sentido de aplicar poder. O apelo de Deus no Pão Sagrado é violência, toda a loucura da cruz é violência, cada Palavra de Deus reclama violência. O apelo de Deus sucede sempre sobre a força do Espírito Santo, e só aquele que pelo Espírito Santo for tocado, compreenderá o apelo e poderá dar a resposta. Na Palavra vemos a resposta: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a Sua Palavra”. É preciso que a nossa resposta a Deus seja a mesma resposta de MARIA.

Conforme esta palavra a Igreja e toda a humanidade deverão dar a sua resposta; e conforme esta resposta; ela será julgada.

“Nada está escondido que não será revelado...”. Até os cabelos de nossa cabeça são contados. Isto quer dizer, que ao olhar de Deus nada escapa, nenhuma de nossas ações, pensamentos e palavras, é esquecida diante do Juiz Eterno. E haveremos de avistar todos no fim da nossa vida. Nada está avolumado, diminuído ou falsificado, e faremos bem em procurar “amigos para esta hora” que possam responder por nós.

Os nossos maiores Abrigos são: o Coração de Jesus e o Coração de Maria. E os nossos grandes intercessores são: São José e os Santos, próximos a nós; os nossos Santos Anjos bem-amados, se nos deixamos conduzir por eles. Deus quer que Anjos e Santos sejam os nossos ajudantes e intercessores, e que aprendamos de ambos.


Protected by Copyscape