AKATHISTOS - HINO LITÚRGICO BIZANTINO À SANTA MÃE DE DEUS

 

O Hino Akathistos (que literalmente significa "estando de pé", porque se canta nesta posição) é o hino mariano mais famoso do Oriente cristão e, possivelmente, de toda a Igreja.

Composto originalmente em grego no final do século V, é de autor desconhecido. Sua autoria é atribuída a diversos personagens, porém na há nenhuma prova concludente e possivelmente, seja melhor assim.

Como disse um comentarista moderno, "é melhor que o hino seja anônimo. Assim é de todos porque é da Igreja".

Efetivamente, desde princípios do século VI a Igreja bizantina o incluiu em sua liturgia como a expressão mais alta do culto à Santíssima Virgem, e o canta em muitas ocasiões, de modo especialmente solene no sábado da 5ª semana da Quaresma.

A estrutura métrica do texto original é de uma suma perfeição, de difícil tradução para outras línguas. As 24 estrofes que o compõem (umas mais longas, outras mais breves, alternadamente) se distribuem por igual em duas partes: uma evangélica e outra dogmática. A primeira parte representa a narração evangélica em uma série de quadros que vão desde a Anunciação de Maria até o Encontro de Maria com Simeão no templo de Jerusalém. A segunda parte expõe os principais artigos da fé mariana da Igreja: virgindade perpétua, maternidade divina, medianeira das graças celestiais.

O Hino Akathistos é comum a todos os cristãos de rito bizantino, ortodoxos e católicos. Constitui pois, uma antiga e solene ponte para a plena comunhão entre a Igreja do Oriente e do Ocidente.

 

I - Orações Iniciais

Sacerdote:

Glória a Santíssima † consubstancial, vivificante
e indivisível Trindade, a todo o momento,
agora e sempre, pelos séculos dos séculos.

Coro:

Amém.

Sacerdote:

Glória a Ti, ó nosso Deus, glória a Ti!

Leitor:

Rei celestial, Consolador, Espírito da verdade,
presente em toda parte e ocupando todo lugar,
tesouro dos bens e dispensador da vida,
vem e habita em nós,
purifica-nos de toda a mancha
e salva, ó Filantropo, as nossas almas!

 

Santo Deus †, Santo forte, Santo imortal,
tem piedade de nós. (3 vezes)

 

Glória ao Pai †, ao Filho e ao Espírito Santo,
agora e sempre e pelos séculos dos séculos. Amém.

 

Santíssima Trindade, tem piedade de nós;
Senhor, concede-nos a remissão de nossos pecados;
Mestre soberano, perdoa as nossas ofensas;
ó Santo, volta teu olhar para nós
e cura nossas doenças, pelo teu santo nome.

 

Kyrie, eleison! (3 vezes)

 

Glória ao Pai †, ao Filho e ao Espírito Santo,
agora e sempre e pelos séculos dos séculos. Amém.

 

Pai nosso que estás nos céus,
santificado seja o teu nome;
venha a nós o teu reino,
seja feita a tua vontade,
assim na terra como no céu.

 

O pão nosso de cada dia dá-nos hoje;
perdoa-nos as nossas dívidas,
assim como nós perdoamos aos nossos devedores,
e, não nos deixes cair em tentação,
mas livra-nos do mal.

Sacerdote:

Pois teu é o reino, o poder e a glória,
Pai †, Filho e Espírito Santo,
agora e sempre, pelos séculos dos séculos.

Coro:

Amém.

 

Kyrie, eleison! (3 vezes)

 

Glória ao Pai †, ao Filho e ao Espírito Santo,
agora e sempre e pelos séculos dos séculos. Amém.

E, fazendo a cada vez uma inclinação:

Coro:

Vinde † Adoremos e prostremo-nos
ante Deus, nosso Rei.

 

Vinde † Adoremos e prostremo-nos
ante o Cristo Deus, nosso Rei.

 

Vinde † Adoremos e prostremo-nos
ante o Cristo, nosso Rei e Deus.

 

(Recitam-se, em seguida, os salmos 50, 60 e 142)

A Grande Doxologia (Hino de Louvor ao Criador)

Coro:

Glória a Ti, ó Doador da luz!

 

Glória a Deus nas alturas,
paz na terra e benevolência aos homens!

 

Nós te louvamos,
nós te bendizemos,
nós te adoramos,
nós te glorificamos,
nós te damos graças
por tua imensa glória.

 

Senhor Deus, Rei dos céus,
Deus Pai Onipotente.

 

Senhor, Filho Unigênito, Jesus Cristo,
e Espírito Santo.

 

Senhor Deus, Cordeiro de Deus,
Filho de Deus Pai.

 

Tu, que tiras o pecado do mundo,
tem piedade de nós.

 

Tu, que tiras o pecado do mundo,
acolhe a nossa súplica.

 

Tu, que estás à direita do Pai,
tem piedade de nós.

 

Só Tu és Santo,
só Tu, o Senhor,
só Tu, o Altíssimo,
Jesus Cristo,
na glória de Deus Pai. Amém!

 

A cada dia te bendigo louvando o teu Nome,
agora e sempre, pelos séculos dos séculos.

 

Ajuda-nos, Senhor,
a permanecer sem pecado neste dia.

 

Tu és bendito ó Senhor, Deus dos nossos pais;
e que o teu Nome seja louvado e glorificado para sempre.

 

Derrama sobre nós, ó Senhor, a tua misericórdia,
porque Tu és a nossa esperança.

 

Tu és bendito ó Senhor,
ensina-me teus mandamentos.

 

Tu és bendito ó Mestre,
ensina-me teus mandamentos.

 

Tu és bendito ó Santo,
ensina-me teus mandamentos.

 

Tu és o nosso eterno refúgio, ó Senhor,
de geração em geração.

 

Eu disse: Senhor, tem piedade de mim!
Cura a minha alma porque pequei perante Ti.

 

Em Ti, Senhor, eu me refugio;
ensina-me a fazer a tua vontade,
pois Tu és meu Deus.

 

Porque em Ti está a fonte da vida;
na tua luz vemos a luz.

 

Estende a tua misericórdia
sobre todos os que te confessam.

 

Santo Deus, Santo poderoso, Santo imortal,
tem piedade de nós. (3 vezes)

 

Glória ao Pai †, ao Filho e ao Espírito Santo,
agora e sempre, pelos séculos dos séculos. Amém.

Segue a recitação ou canto do Credo Niceno-constantinopolitano

Credo Niceno-Constantinopolitano

Coro:

Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso,
Criador do céu e da terra,
de todas as coisas visíveis e invisíveis.

 

Creio em um só Senhor, Jesus Cristo,
Filho Unigênito de Deus,
nascido do Pai antes de todos os séculos:
Luz da luz,
Deus verdadeiro de Deus verdadeiro,
gerado não criado,
consubstancial ao Pai.

 

Por ele todas as coisas foram feitas.
E, por nós, homens, e para a nossa salvação,
desceu dos céus:
e se encarnou pelo Espírito Santo,
no seio da Virgem Maria,
e se fez homem.

 

Também por nós foi crucificado
sob Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado.

 

Ressuscitou ao terceiro dia,
conforme as escrituras.

 

E subiu aos céus,
onde está sentado à direita do Pai.

 

E de novo há de vir, em sua glória,
para julgar os vivos e os mortos;
e o seu reino não terá fim.

 

Creio no Espírito † Santo,
Senhor que dá a vida, e procede do Pai;
e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado:
ele que falou pelos profetas.

 

Creio na Igreja
una †, santa, católica e apostólica.

 

Professo um só batismo
para remissão dos pecados.

 

Espero a ressurreição dos mortos;

 

E a vida do mundo que há de vir. Amém.

Parte Narrativa: «Episódios Evangélicos»

O sacerdote incensa o ícone (principal) da Santíssima Mãe de Deus e os fiéis enquanto todos recitam o tropário:

Tropário

 

A ti, Maria, como ao general invencível,
meus cantos de vitória!
A ti, que me livraste de meus males,
ofereço meus cantos de reconhecimento!
Pois que tens uma força invencível,
livra-me de toda espécie de perigos,
a fim de que te aclame:
Ave, Virgem e Esposa!

I Estação: «O Anúncio do Anjo Gabriel»

 

O mais sublime dos anjos
foi enviado dos céus
para dizer «Ave» à Mãe de Deus.
Vendo-te, Senhor, feito homem
à sua angélica saudação,
deteve-se extasiado diante da Virgem,
aclamando-a assim:

 

Ave, por ti resplandece a alegria!
Ave, por ti a maldição toda cessa!
Ave, reergues o Adão decaído!
Ave, tu estancas as lágrimas de Eva!
Ave, mistério que excede o intelecto humano!
Ave, insondável abismo aos olhares dos anjos!
Ave, porque és o trono do Rei soberano!
Ave, porque tu governas quem tudo governa!
Ave, ó estrela que o sol anuncias!
Ave, em teu seio é que Deus se fez carne!
Ave, por quem a criação se renova!
Ave, o Criador fez-se em ti criancinha!

 

Ave, Virgem e Esposa!

Antífona I

 

Sabendo Maria de ser a Deus consagrada,
assim a Gabriel dizia:
«A tua mensagem é misteriosa aos meus ouvidos
e incompreensível ressoa à minha alma.
De uma Virgem um parto tu anuncias», exclamando:
Aleluia! (3 vezes)

«Maria e o Anúncio do Anjo»

 

Desejava a Virgem entender o mistério,
e ao divino mensageiro pergunta:
«Poderá uma virgem dar à luz um menino?
– Dize-me!». Com reverência,
o Anjo respondia, cantando assim:

 

Ave, mistério, vontade inefável!
Ave, ó fé maturada em silêncio!
Ave, prelúdio dos faustos de Cristo!
Ave, sumário do santo Evangelho!
Ave, ó escada sublime por quem Deus nos veio!
Ave, ó ponte que os hímens ao céu encaminha!
Ave, dos Anjos tu és maravilha gloriosa!
Ave, do inferno derrota total contundente!
Ave, que a Luz por mistério geraste!
Ave, que o «modo» a ninguém ensinaste!
Ave, transcendes a ciência dos sábios!
Ave, iluminas a todos os crentes!

 

Ave, Virgem e esposa!

Antífona II:

 

A virtude do Altíssimo
a cobriu com sua sombra
e tornou Mãe a Virgem sem núpcias:
o seio por Deus fecundado
tornou-se campo abundante
para todos aqueles que buscam a salvação
e assim aclamam:
Aleluia! (3 vezes)

«Visita de Maria a sua prima Santa Isabel»

 

Tendo em seu seio o Senhor,
solícita Maria
visitava sua prima Isabel.
O menino no ventre materno,
ouvindo a saudação, exultou,
e, saltando de alegria,
à Mãe de Deus aclamava:

 

Ave, ó ramo de planta incorrupta!
Ave, do fruto imortal, colheita!
Ave, cultora do Mestre dos homens!
Ave, ó Mãe de quem deu-nos a vida!
Ave, ó campo veraz que produz muitos frutos!
Ave, ó mesa bem farta de perdões abundantes!
Ave, tu fazes florir as planícies celestes!
Ave, a nós todos preparas um porto seguro!
Ave, ó incenso das preces aceitas!
Ave, purificação do universo!
Ave, bondade de Deus pelos homens!
Ave, ante Deus, dos mortais és audácia!

 

Ave, Virgem e esposa!

Antífona III

 

Com o coração tumultuando
e cheio de dúvidas,
o prudente José se debatia.
Sabe que és Virgem intacta
e suspeita secretos esponsais.
Conhecendo-te Mãe
pela ação do Espírito Santo, exclama:
Aleluia! (3 vezes)

II Estação: «O Anúncio Alegre aos Pastores»

 

Os pastores ouviram os coros dos anjos
que cantavam ao Senhor feito homem.
Correndo, vão ver o Pastor.
Contemplam o Cordeiro inocente
alimentando-se do seio materno
e à Virgem entoam um canto:

 

Ave, ó mãe do Pastor e Cordeiro,
Ave, és aprisco da Mística Ovelha,
Ave, preservas do oculto inimigo,
Ave, ó chave das portas celestes.
Ave, por ti congratula-se o céu com a terra,
Ave, por ti, terra e céu, em uníssono cantam,
Ave, do apóstolo, boca jamais silenciosa,
Ave, invencível coragem dos mártires todos.
Ave, da fé inabalável baluarte,
Ave, da graça, fulgente estandarte,
Ave, por ti foi o inferno espoliado,
Ave, nos tens revestido de glória.

 

Ave, Virgem e esposa!

Antifona IV

 

Observando a estrela
que a Deus os guiava,
os magos seguiram seu fulgor.
Era lâmpada segura em seu caminho,
que os conduziu ao Rei poderoso.
Chegados ao Deus inatingível,
o aclamam felizes:
Aleluia! (3 vezes)

«A Adoração dos Magos»

 

Contemplaram os magos, no colo materno,
Aquele que plasmou o homem em suas mãos.
Compreenderam ser ele o seu Senhor,
escondido sob o aspecto de servo.
Solícitos, oferecem-lhe seus dons
e à Mãe aclamam:

 

Ave, que a estrela perene geraste!
Ave, és aurora do místico dia!
Ave, que a forja do engano extinguistes!
Ave, o mistério de Deus iluminas!
Ave, o tirano inimigo dos homens destronas!
Ave, que o Cristo, mostraste Senhor nosso amigo!
Ave, resgatas do culto selvagem aos deuses!
Ave, teus filhos libertas do ataque do mal!
Ave, que o culto do fogo extinguistes!
Ave, que aplacas o fogo dos vícios!
Ave, que educas o crente a ser casto!
Ave, alegria de todos os povos!

 

Ave, Virgem e esposa!

Antífona V

 

Mensageiros de Deus
tornaram-se os magos
de volta para suas terras.
Cumpriu-se o antigo oráculo
quando a todos falavam de Cristo,
sem pensar no estulto Herodes,
incapaz de cantar:
Aleluia! (3 vezes)

«Fuga para o Egito»

 

Egito tu iluminas
com o resplendor da verdade,
afugentando as trevas do erro.
À tua passagem os ídolos caíam
não podendo te suportar, Senhor.
E os homens, libertados do engano,
à Virgem aclamam:

 

Ave, reergues o gênero humano!
Ave, ruína total dos demônios!
Ave, esmagaste a potência enganosa!
Ave, que o logro dos ídolos mostras!
Ave, ó mar que afogou o faraó demoníaco!
Ave, rochedo a saciar os sedentos de vida!
Ave, coluna de fogo a guiar os errantes!
Ave, és abrigo do mundo, mais amplo que as nuvens!
Ave, o maná verdadeiro nos deste!
Ave, nos serves delícias sagradas!
Ave, ó terra por Deus prometida!
Ave, ó fonte do mel e do leite!

 

Ave, Virgem e esposa!

Antífona VI

 

Simeão, o velho,
já no fim dos seus dias,
estava para deixar a sombra deste mundo.
A ele foste apresentado como Menino,
mas, vendo-te qual Deus poderoso,
admirou o arcano desígnio e exclamava:
Aleluia! (3 vezes)

Parte Dogmática: «Os mistérios da fé»

III Estação: «A Virgindade Fecunda de Maria»

 

Renovou o Excelso
as leis deste mundo
quando veio habitar entre nós.
Germinado no seio de uma Virgem,
conserva-o intacto como sempre o fora.
Nós, admirados por este prodígio,
à Virgem santa cantamos:

 

Ave, ó flor da total virgindade!
Ave, protótipo da castidade!
Ave, da ressurreição, claro emblema!
Ave, que a vida dos Anjos revelas!
Ave, frutífera planta, alimento do crentes!
Ave, ó árvore umbrosa que abrigas a muitos!
Ave, teu seio carrega o mentor dos errantes!
Ave, que à luz deste o libertador dos cativos!
Ave, que o justo Juiz nos abrandas!
Ave, perdão do relapso e contrito!
Ave, coragem dos desesperados!
Ave, és amor que preenche os desejos!

 

Ave, Virgem e esposa!

Antífona VII

 

Contemplando o parto milagroso,
e afastados do mundo,
dirigimos a mente para o céu.
O Altíssimo apareceu entre nós
no humilde aspecto humano de um pobre
e eleva ao mais alto da glória
aqueles que cantam:
Aleluia! (3 vezes)

«A Maternidade Divina de Maria para a nossa Salvação»

 

A Palavra de Deus infinito
habitava na terra
e enchia os céus.
Sua descida amorosa até o homem
não fez mudar sua suprema morada.
Era o divino parto da Virgem
que ele ouvia cantar:

 

Ave, morada do Deus infinito!
Ave, ó porta do augusto mistério!
Ave, mensagem que inquieta os descrentes!
Ave, ufania e segurança dos crentes!
Ave, veículo santo do Altíssimo Filho!
Ave, mansão gloriosa do Verbo encarnado!
Ave, da virgem e mãe as grandezas reúnes!
Ave, os contrários a um fim tão igual consorcias!
Ave, o pecado de Adão dissolveste!
Ave, por ti foi o céu reaberto!
Ave, ó chave do reino de Cristo!
Ave, esperança dos bens sempiternos!

 

Ave, Virgem e esposa!

Antífona VIII

 

Toda a multidão dos anjos,
admirada, contempla
o mistério de Deus encarnado.
Ao senhor inacessível,
feito homem, admira-o, acessível,
caminhar pelas sendas humanas,
ouvindo cantar:
Aleluia! (3 vezes)

«O Mistério do Parto Virginal de Maria»

 

Os eloqüentes oradores,
como peixes emudecem
diante de ti, santa Mãe do Verbo.
Não compreendem como foi possível
permanecer Virgem depois de ser Mãe.
Nós, teus devotos, o prodígio admiramos
e com fé proclamamos:

 

Ave, sacrário da ciência divina
Ave, tesouro da fiel providência
Ave, os sapientes afirmas ignaros
Ave, os loquazes revelas vazios.
Ave, convences de inane a astuciosa palavra
Ave, que tornas sem nexo os criadores dos mitos
Ave, os astutos sofismas dos gregos desfazes
Ave, replenas as redes dos bons pescadores.
Ave, nos livras da imensa ignorância
Ave, iluminas inúmeras mentes
Ave, batel dos que querem salvar-se
Ave, ó porto dos nautas da vida.

 

Ave, Virgem e esposa!

Antífona IX

 

Para salvar o mundo,
o Criador de todas as coisas
quis vir a ele.
Sendo Deus, tornou-se nosso Pastor
e apareceu entre nós como Cordeiro.
Sendo homem, atrai a si os homens
e como Deus ouve cantar:
Aleluia! (3 vezes)

IV Estação: «Maria: Modelo de Pureza e Santidade»

 

Ó Virgem, Mãe de Cristo,
vindo morar em teu seio,
o divino Criador te fez
o baluarte das virgens
e de quantos a ti recorrem.
Ele nos convida a cantar
em tua honra, ó Ilibada:

 

Ave, pilar da integral virgindade!
Ave, ó porta de quem quer salvar-se!
Ave, ó mestra das coisas sagradas!
Ave, doadora da Graça Divina!
Ave, dá a vida nova aos nascidos na culpa!
Ave, instrutora das mentes que estavam dispersas!
Ave, tu expulsas aqueles que a mente corrompe!
Ave, ó Mãe de Jesus, semeador de almas castas.
Ave, ó tálamo em núpcias virgíneas
Ave, que os crentes com Deus concilias
Ave, ideal pedagoga das virgens
Ave, que os santos recobres de bênçãos.

 

Ave, Virgem e esposa!

Antífona X

 

É sempre inferior o canto
que presuma engrandecer
as tuas inúmeras virtudes.
Tantos como é a areia da praia
podem ser os nossos hinos, ó Rei Santo,
porém, nunca alcançariam as graças
que destes a quem canta:
Aleluia! (3 vezes)

«Maria, Mãe de Quem Nasce a Igreja»

 

Como tocha luminosa
a iluminar os que jazem nas trevas,
resplandece a Virgem Maria.
Foi ela que acendeu a Luz eterna.
Seu fulgor ilumina as mentes
e é guia à sabedoria divina,
inspirando este canto:

 

Ave, do místico sol o lampejo!
Ave, ó astro da flama perene!
Ave, ó clarão que iluminas as almas!
Ave, trovão a assustar o inimigo.
Ave, tu fazes luzir esplendor fulgurante!
Ave, transbordas o rio com mil afluentes!
Ave, figura das águas do santo batismo!
Ave, tu lavas as manchas de nossos pecados.
Ave, lavacro que iliba a consciência!
Ave, ó taça que infunde alegria!
Ave, o perfume de Cristo recendes!
Ave, ó vida do sacro banquete.

 

Ave, Virgem e esposa!

Antífona XI

 

Querendo nos perdoar o primeiro pecado,
Aquele que paga as dívidas de todos
busca asilo no meio dos seus trânsfugas,
exilando-se livremente do céu.
Rasgando o antigo rescrito,
ouve cantar:
Aleluia! (3 vezes)

«Maria, Protetora e Auxílio de Todos os Cristãos»

 

Glorificando o teu parto,
todo o universo te louva
qual tabernáculo vivente, ó Senhora.
Colocando sua morada no teu seio
Aquele que segura tudo em sua mão,
o Senhor, te fez santa e gloriosa,
e nos convida a te louvar:

 

Ave, ó casa de Deus e do Verbo!
Ave, ó santa mais santa que os santos!
Ave, no espírito, arca dourada!
Ave, infinito tesouro de vida.
Ave, precioso diadema dos reis piedosos!
Ave, louvor glorioso dos pios sacerdotes!
Ave, ó torre inconcussa da Igreja de Cristo!
Ave, tu és baluarte invencível do império.
Ave, troféus por ti conquistados!
Ave, por ti o inimigo é vencido!
Ave, remédio do corpo doente!
Ave, tu és a salvação de minha alma!

 

Ave, Virgem e esposa!

Antífona XII

 

Digna de todo louvor,
Santa Mãe do Verbo,
Santíssimo entre todos os Santos,
recebe, nesse canto, a nossa oferta.
Salva o mundo de todo perigo;
de todos os males e dos castigos futuros
1ivra-nos, a nós que cantamos:
Aleluia! (3 vezes)

E repete-se novamente o tropário:

Tropário

 

A ti Maria, como ao general invencível,
meus cantos de vitória.
A ti, que me livraste de meus males,
ofereço meus cantos de reconhecimento.
Pois que tens uma força invencível,
livra-me de toda espécie de perigos,
a fim de que te aclame:
Aleluia! (3 vezes)

Somente na primeira sexta-feira da quaresma o sacerdote proclama o santo Evangelho. Fazendo uma reverência diante do evangeliário, ergue-o e sai com ele pelas portas santas, dirigindo-se ao ambão.

Evangelho

Sacerdote:

Sabedoria!

 

Elevemo-nos para escutar o santo Evangelho.

 

A paz † seja convosco!

Coro:

E com o teu espírito.

Sacerdote:

Proclamação do Santo † Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo o evangelista São N. ...

Coro:

Glória a Ti, Senhor, glória a Ti!

Sacerdote:

Estejamos atentos!

O sacerdote proclama o Evangelho do dia e, ao final, o coro responde:

Coro:

Glória a Ti, Senhor, glória a Ti!

Grande e Insistente Súplica

Sacerdote/Diácono:

Digamos todos, de toda nossa alma e de todo nosso espírito:

Coro:

Kyrie, eleison!

Sacerdote/Diácono:

Senhor Todo-poderoso, Deus de nossos pais,
nós te pedimos: escuta-nos e tem piedade de nós!

Coro:

Kyrie, eleison!

Sacerdote/Diácono:

Tem piedade de nós, ó Deus, segundo tua grande misericórdia, nós te suplicamos: escuta-nos e tem piedade de nós!

Coro:

Kyrie, eleison! (3 vezes e, assim, a cada súplica)

Sacerdote/Diácono:

Oremos ainda pelo nosso santo pai o patriarca N.,
pelo nosso Metropolita N. ... , (arcebispo, ou bispo),
pelos sacerdotes, diáconos, religiosos
e por todos os nossos irmãos e irmãs em Cristo.

 

Oremos ainda pelo Brasil, nosso amado país
protegido por Deus, seu governo e força de segurança.

 

Oremos ainda pelos fundadores deste santo templo,
pelos nossos pais e irmãos falecidos
que, fiéis à verdadeira fé, repousam piedosamente aqui
e em toda parte do mundo.

 

Oremos ainda implorando misericórdia, vida, paz, saúde,
salvação e visita divina aos servos de Deus N.,
e pelo perdão e a remissão dos seus pecados.

 

Oremos ainda pelos benfeitores desta santa e venerável igreja,
pelos que nela se afadigam e cantam
e por este povo aqui presente que espera de Ti
a grande e abundante misericórdia.

E, em voz baixa, o sacerdote reza a oração da Súplica Insistente:

Sacerdote:

Ó Senhor, nosso Deus, acolhe esta fervorosa súplica,
e tem piedade de nós, os teus servos
segundo a grandeza de tua bondade;
derrama tua compaixão sobre todo o teu povo,
que espera de Ti a infinita misericórdia.

E, elevando a voz:

 

Pois Tu és um Deus bom e misericordioso,
nós te glorificamos, Pai †, Filho e Espírito Santo,
agora e sempre, pelos séculos dos séculos.

Coro:

Amém.

Orações Finais

 

Santo Deus †, Santo forte, Santo imortal,
tem piedade de nós. (3 vezes)

 

Glória ao Pai †, ao Filho e ao Espírito Santo,
agora e sempre e pelos séculos dos séculos. Amém.

 

Santíssima Trindade, tem piedade de nós;
Senhor, concede-nos a remissão de nossos pecados;
Mestre soberano, perdoa as nossas ofensas;
ó Santo, volta teu olhar para nós
e cura nossas doenças, pelo teu santo nome.

 

Kyrie, eleison! (3 vezes)

 

Glória ao Pai †, ao Filho e ao Espírito Santo,
agora e sempre e pelos séculos dos séculos. Amém.

 

Pai nosso que estás nos céus,
santificado seja o teu nome;
venha a nós o teu reino,
seja feita a tua vontade,
assim na terra como no céu.

 

O pão nosso de cada dia dá-nos hoje;
perdoa-nos as nossas ofensas,
assim como nós perdoamos aos nossos devedores,
e, não nos deixes cair em tentação,
mas livra-nos do mal.

Sacerdote:

Pois teu é o reino, o poder e a glória,
Pai †, Filho e Espírito Santo,
agora e sempre, pelos séculos dos séculos.

Coro:

Amém.

 

Kyrie, eleison. (3 vezes)

 

Glória ao Pai † ao Filho e ao Espírito Santo,
agora e sempre, pelos séculos dos séculos. Amém.

Oração

 

Ó gloriosa, sempre Virgem e bendita Mãe de Deus,
ofereça minhas orações a teu Filho e meu Deus,
e roga a ele pela salvação de minha alma.

 

O Pai é minha esperança,
o Filho é meu refúgio
e o Espírito Santo é meu amparo:
Santíssima Trindade, glória a Ti!

 

Em ti deposito toda a minha esperança;
ó Mãe de Deus,
guarda-me sob a tua proteção.

Despedida

Sacerdote:

Glória a Ti, ó Cristo Deus, esperança nossa, glória a Ti!

Coro:

Glória ao Pai †, ao Filho e ao Espírito Santo,
agora e sempre, pelos séculos dos séculos. Amém.

 

Kyrie, eleison! (3 vezes)

 

Padre, abençoa-nos em nome do Senhor!

Sacerdote:

Ó Cristo nosso verdadeiro Deus
[que ressuscitaste dos mortos,
ou a invocação própria da Festa do dia... ]
pelas orações da tua puríssima Mãe,
dos santos e gloriosos apóstolos,
de S. N., (Santo titular da Igreja e do dia),
dos santos e justos avós do Senhor,
Joaquim e Ana e de todos os santos,
tem piedade de nós, ó Filantropo, e † salva-nos,

E, fazendo uma grande inclinação diante do altar, diz:

 

Pelas orações dos nossos santos padres,
Senhor Jesus Cristo, nosso Deus, tem piedade de nós!

Coro:

Amém

 

 Extraido da Eclessia

 


Protected by Copyscape